Acessibilidade   |   Aumentar Fonte   |   Contraste

COMISSÃO VAI INVESTIGAR IMPACTOS AMBIENTAIS EM PRAIAS DO ESTUÁRIO

Grupo será presidido pelo vereador Manoel Francisco Nequinho (PMN), que desde 2017 vem questionando a Codesp em relação a problemas verificados nas praias do Goés e de Santa Cruz dos Navegantes, assim como no ambiente marinho dessa região

O plenário da Câmara Municipal de Guarujá aprovou nesta terça-feira (12) a criação de comissão parlamentar para averiguar impactos ambientais que têm sido observados nas praias do Goés e de Santa Cruz dos Navegantes - desde a realização de serviços de dragagem, no Canal do Estuário.
 
 
O grupo será presidido pelo vereador Manoel Francisco Nequinho (PMN), que desde 2017 vem questionando a Codesp em relação a problemas verificados nas praias, assim como no ambiente marinho dessa região.
 
 
"Antes da dragagem, a areia dessas praias era clara e dura para pisar. Hoje, estão tomadas por lama preta e sedimentos tóxicos. Outra mudança verificada é em relação às ondas, que aumentaram de tamanho e volume, o que tem destruído encostas e trilhas de acesso que margeiam o canal", destaca Nequinho. 
 
 
O vereador também chama atenção para impactos na fauna marinha, dada à grande mortandade de peixes verificada por pescadores. "Ao que tudo indica, os resíduos oriundos da dragagem ainda afetaram o ecossistema marinho e a balneabilidade. Isso, inclusive, foi alvo de investigação do Ministério Público e denunciado pela imprensa".
 
 
OBJETIVO - Com base em respostas já emitidas pela Codesp, através de requerimentos protocolados, e imagens que têm sido documentadas por moradores dessas praias, o vereador pretende aprofundar os questionamentos relativos ao tema. "É preciso esclarecer o que de fato tem ocorrido, tendo vista os prejuízos à pesca e ao turismo, que são a base de sustento dos moradores do Goés e de Santa Cruz dos Navegantes".
 
 
PRAZO - A comissão parlamentar terá prazo de 180 dias para realizar os trabalhos. Ao longo desse período, o grupo deve ouvir moradores, especialistas e representantes da Codesp, bem como de outros órgãos e empresas que têm relação com o serviço de dragagem. Ao final, um relatório será produzido e analisado pelo plenário da Casa de Leis, que por sua vez definirá as medidas legais cabíveis.   


Publicado em: 15 de março de 2019

Publicado por: ASSESSORIA