APROVADA LEI QUE GARANTE AMPARO LEGAL PARA MUDANÇA DE NOME DA AV. LEOMIL

Projeto de Lei 188/2017, de autoria da vereadora Andressa Sales (PSB), estabelece novos critérios para denominação de próprios, vias e logradouros públicos da Cidade.

Atendendo reivindicação de estudantes da EM Myriam Terezinha Wichrowsky Milbourn, o plenário da Câmara Municipal de Guarujá aprovou, na última terça-feira (5), o Projeto de Lei 188/2017, de autoria da vereadora Andressa Sales (PSB), que estabelece novos critérios para denominação de próprios, vias e logradouros públicos da Cidade.

O texto impede que sejam homenageadas pessoas que tenham se notabilizado pela defesa ou exploração de mão de obra escrava, assim como pessoas que tenham se envolvido, direta ou indiretamente, com crimes de violação de Direitos Humanos.

PLEITO DE ESTUDANTES
A medida resulta de um pleito, feito por estudantes do 5° ano da Escola Municipal Myriam Terezinha Wichrowsky Milbourn, localizada no Jardim Boa Esperança. Eles querem mudar o nome da Av. Leomil, pois descobriram, através de um projeto desenvolvido na escola, que Valêncio Teixeira Leomil (personalidade histórica que leva tal homenagem) era um comerciante de escravos.

Os estudantes chegaram a promover um abaixo-assinado, que foi entregue pessoalmente ao presidente da Câmara Municipal, e posteriormente levado aos demais vereadores. "Foi daí um surgiu a ideia de apresentar esse projeto", explica a vereadora Andressa Sales, convencida de que a iniciativa dos estudantes é válida e, sobretudo, estimulará a correção de grandes injustiças históricas.

O texto segue agora para análise do prefeito Válter Suman (PSB). Caso sancionado, ele garantirá o amparo legal necessário para que a mudança de nome reivindicada pelos estudantes seja de fato possível.

Texto: Pablo Mello, repórter universitário


Publicado em: 07 de dezembro de 2017

Publicado por: ASSESSORIA

Cadastre-se e receba notícias em seu email