VEREADORES APROVAM PROJETO QUE VISA DESCARTE CORRETO DE MATERIAIS PÓS-CONSUMO

De autoria do vereador Toninho Salgado (PSD), a proposta teve os votos favoráveis de 15 vereadores e segue agora para análise do prefeito Valter Suman. Objetivo é envolver comerciantes, fabricantes e população em torno de uma política ambiental unificada

Os vereadores de Guarujá aprovaram na sessão do último dia 14/11 o Projeto de Lei n° 115/2017, de autoria do vereador Antônio Fidalgo Salgado, o Toninho Salgado (PSD), que visa regulamentar e definir “Diretrizes para a Implementação e Operacionalização da Logística Reversa (Pós-Consumo)" dentro do Município. O texto teve 15 votos favoráveis e agora segue para análise do prefeito Válter Suman (PSB).

Ele prevê a criação de centros de recepção para a coleta de resíduos recicláveis ou reutilizáveis em pontos estratégicos da Cidade. Estabelecimentos comerciais ficariam responsáveis pela definição destes locais, podendo realizar parcerias com cooperativas do Município, que recolheriam, por exemplo, embalagens de papelão, plástico e vidro, assim como resíduos de óleo usado em veículos e cozinhas.

“No projeto, nós também colocamos a população com papel importante dentro de tudo isso. Após o consumo dos materiais comprados, as pessoas terão a disposição locais de devolução, que também serão implementados pelos estabelecimentos ou distribuidores. A partir deste momento é que começará todo o processo de reciclagem das embalagens, pelas fabricantes ou importadoras de origem”, enfatiza o autor da proposta.

Além disso, o texto aprovado pelos vereadores ainda propõe ao Município a criação de campanhas educativas nas escolas e vias para a conscientização e práticas que visam a diminuição da poluição e o descarte de maneira correta destes materiais dentro do meio-ambiente.

O QUE É LOGÍSTICA REVERSA
Segundo a Lei 12.305/2010, a Logística Reversa é um mecanismo econômico social, denominado como um conjunto de ações que busca viabilizar a coleta e restituição de resíduos para serem reaproveitados ou serem descartados no meio-ambiente de forma adequada. Este processo não é só de responsabilidade dos estabelecimentos, empresas ou estado, mas sim de toda a população, que tem participação fundamental na devolução das embalagens ou matéria-prima do produto que seria descartado.

Texto: Repórter Universitário – Rafael Nunes


Publicado em: 16 de novembro de 2017

Publicado por: Assessoria

Cadastre-se e receba notícias em seu email